rigor contra a explicações mágicas

Não importa que estejamos no século XXI, porque a maternidade e tudo que a envolve, continua cercado de falsas crenças, tão incríveis como loucas. Mas é que, tanto neste domínio como em outros, a vida, para muitas pessoas, a explicação mágica é sempre preferível à realidade

EFE/José Simal.

Artigos relacionados

Segunda-feira 02.04.2018

Terça-feira 27.03.2018

Terça-feira 14.11.2017

Muitas destas crenças, costumes ou práticas muito assentadas em torno da maternidade, a amamentação e os recém-nascidos são baseadas no medo, o interesse econômico, ou da tradição familiar.

Refletir, com muito humor, sobre algumas delas, é um dos propósitos do pediatra e neonatólogo José Maria Lloreda, que trabalha atualmente no Hospital Santa Lúcia de Cartagena e acaba de publicar “O que ninguém te contou sobre a gravidez, o parto e a amamentação” (Arcopress) .

Afirma Lloreda que terá alcançado o seu objetivo: “se o leitor aprende algo, ou sorri com as coisas que você encontra no livro”.

Coisas como o uso de Aerored para alguns gases, sempre inexistentes, de um recém-nascido; ou o lacinho vermelho no para carrinho da criança contra o mal de olho; ou como pode influenciar o que você come no sexo do seu futuro haste.

A primeira “farsa”, afirma em entrevista à EFEsalud, é que os recém-nascidos choram, porque eles têm gases.

“O que você tem é fome e a melhor mais a frente, com mais dias de vida, podem ter gases porque choro tanto, desesperados de fome, pegar ar” .

Não há que confundir nem os gases, com a chamada cólica do lactente, cuja causa geralmente é desconhecida, e que se caracteriza por choro intenso do bebê.

A dia de hoje, garante, encontram-se sites onde se aconselha fajar as crianças que têm cólica do lactente, “e usam termos como conter ou vestir-se de que ficam melhor… Em qualquer ocasião, até pessoas mais formada recomenda-lo, talvez seja reminiscência ainda do fajado total de crianças”.

Quanto às falsas crenças ou costumes erradas mais comuns, anota que “vai modas” e que “uma das mais difundidas é a de tentar colocar um horário de comer e dormir para os recém-nascidos.

“E, claro, é muito fácil fracassar porque o bebê não vai fazer caso. Quando tem fome vai chorar, independentemente do horário”.

E este fármaco, continua, passou também a sacarose a 20%, porque “parece que não suporta que um bebê chore o mínimo”.

Anis-estrelado

Mas, adverte o neonatólogo que, por vezes, o uso de outras substâncias, como o anis estrelado pode criar até intoxicações, porque, em algumas crianças, produz depressão neurológica e deixa o menino calmo.

“Os recém-nascidos – esclarece em seu livro – não são projetados para expulsar os gases em cada tomada. Não é algo obrigatório, a verdade, e em parte o fazem porque o esfíncter de entrada do estômago fica mais frouxo que em épocas posteriores, e, se o colocamos em posição vertical são capazes de escapar para cima”.

“Muitas mães dizem que tem gases, porque ao dar-lhes de mamar, notam-se como se move o intestino e choram. Isso é o reflexo gastrocólico já comentado e vai desaparecendo com o tempo”.

“Outra falsa crença muito atual é a de que o bebê precisa de mais energia que o leite”

“Estamos tão com a moda do “natural” que tinha um pai que recolhia água do mar no porto para as secreções oculares de seu bebê, quando o que se recomenda é tirar o olho com soro fisiológico e, em alguns casos, colocar colírio”.

A culpa é dos dentes

Mais adiante, prossegue o neonatólogo, a maioria dos sintomas que as famílias apreciam o bebê se associam com o fato de que estão saindo dos dentes, etapa que vai desde os seis meses até aos seis anos de idade.

E da dor dos dentes assegura que também é “muito relativo”.

“Tudo deriva dos tratados do século XIX, onde se informava erradamente que a primeira causa de morte de crianças com menos de um ano, era por esta causa”.

Mal de olho

Depois, há também o do olho mau que “parece que fosse de outra época, mas não, e agora, por exemplo, vêem na rua muitos carricoches com laços ou sinos feitas de lã ou de tecido de cor vermelha, na crença de que afugenta o mal de olho”.

“E nós estamos no século XXI, e muitas vezes está em consulta e vê que a mãe está com a pequena imagem, a capa vermelha e o colar de âmbar, que dizem que este último é para os dentes, mas também em sua origem, é usado contra o mal de olho”.

“Agora é que se vende tudo aquilo que assegure que lhe vai bem com a criança, para o que quer que seja… e depois há todas essas revistas predatórias que são a publicidade e a pseudosalud vende muito e sempre, você pode encontrar um estúdio que vá a favor do seu, o que você acha…”

E chegam os móveis

A todas estas crenças em torno da maternidade, há que acrescentar agora o mundo dos celulares e suas infinitas aplicações para todos os gostos e momentos.

Explica o autor em seu livro que as há para tudo, ou quase. “as mais comuns são as que convertem o celular no terminal para receber a imagem de uma câmera que se dá ao bebê, ao estilo atividade Paranormal. Outras, por exemplo, servem para ver a cor da pele da criança, e dizer-lhe até o nível de bilirrubina”.

O mundo da gravidez, continua, também está cheio de dispositivos guachis.

“Este dispositivo é anunciado com uma frase lapidaria: Por que não vai usar as redes sociais porque está no útero?”.

Maternidade: o sexo do bebê

E como o mundo da maternidade dá para muito, também nos encontramos com os métodos “low cost” ou de baixo custo e totalmente inservíveis para escolher o sexo do bebê.

E entre os que encontro, destacam-se os relacionados com a alimentação, que afirma “têm mais migalha”, porque se assegura que os espermatozóides que carregam o sexo masculino, movem-se melhor em meio básico, e para procurar o sexo feminino é melhor um meio ácido.

Por isso, tem que comer coisas para favorecer tal ou qual o PH vaginal e assim escolher o sexo.

“Mesmo após as relações sexuais são introduzidos, um tampão embebido em suco de limão, e se o que eles querem é uma criança aconselham irrigações vaginais de bicarbonato”.

(1 votos, média: 5,00 out of 5)
Loading…

Leave a Reply